Las Cofradías de Báquicas y las Enomemórias en la promoción del Turismo

  • Gonçalo Nuno Marques
Palabras clave: Vino, Turismo

Resumen

La presente investigación se divide en dos partes diferentes - la primera es principalmente teórica, y presenta autores e ideas relacionadas con la importancia cultural de las cofradías del vino y su relación con el turismo del vino; la segunda parte presenta algunos aspectos de la realidad portuguesa presentando la evolución de las cofradías del vino en varias regiones vinícolas portuguesas. El presente estudio de caso tiene como objetivo revelar en detalle el papel de la Cofradía del Vino Verde en esta visión programática. Se desarrollará un análisis con la contribución de la observación directa, la acción?investigación de manera participativa y la investigación etnográfica (resultante, principalmente, de una década de participación del autor en las actividades de la cofradía).

Biografía del autor/a

Gonçalo Nuno Marques

Professor Auxiliar do ISMAI. Docente do Curso de Turismo (Licenciatura e Mestrado). Investigador Principal do CEDTUR

Citas

Almeida, Miguel Vale de 1995. Senhores de Si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século edições

Araújo, Henrique Gomes de 1995. Dar, receber e retribuir – um rito de entronização na história recente da Confraria do Vinho do Porto. In Sociologia – Problemas e Práticas, nº 18, pp. 159-169.

Bourdieu, Pierre 1994. O Poder Simbólico. Lisboa: Difel.

Coppello, Marcelo 2008. Sabores do Douro e do Minho: Histórias, Receitas e Vinhos. São Paulo: Editora Senac.

Cunha, Licínio 2007. Introdução ao Turismo. Lisboa: Lidel.

Dias, Geraldo J. A. C 1998. As Confrarias Báquicas: sua natureza e função associativa. In Douro: Estudos e Documentos, vol. III (6), 2º. Porto: GEHVID, pp. 17-24. [também disponível em: http://ler.letras.up.pt/uploads/ ficheiros/9436.pdf].

Duby, Georges 1994. As três ordens ou o imaginário do Feudalismo. 2ª Edição. Lisboa: Estampa.

Getz, Donald 2000. Explore Wine Tourism: Managment, Development and Destinations. New York: Cognizant Communication.

Ghira, João Carvalho 2011. Origem e evolução das Confrarias: Destaque para o papel das Confrarias Báquicas no enaltecimento e valorização do vinho. In Alocução proferida pelo Grão Mestre da Colegiada dos Enófilos de São Vicente, na II Festa da Vinha e do Vinho dos Biscoitos - Ilha Terceira – Açores. Publicada, originalmente, em edição da Revista de Vinhos (1993) e disponível em http://bagosdeuva.blogspot. pt/2011/01/origem-e-evolucao-das-confrarias. html (consultado em 4 de Abril de 2016).

Godinho, Vitorino de Magalhães 1971. A estrutura da antiga sociedade portuguesa. Lisboa: Arcádia.

Hall, Michael; Sharples, Liz; Cambourne, Brock & Macionis, Nick 2002. Wine tourism around the world: development, management and markets. New York: Routledge

Hipólito-Reis, C. 2008. Vinho, Gastronomia e Saúde. Porto: Edições da Universidade do Porto

Jafari, Jafar, ed 2000. Encyclopedia of Tourism. London: Routledge.

Jafari, Jafar 2007. Entry into a new field of study: Leaving a foot print. In D. NASH (ed.), The study of tourism: Anthropological and sociological beginnings (pp. 108-121). Amsterdam: Elsevier.

Johnson, Hugh 2007. História Universal do Vinho. Lisboa: Litexa

Laghans, Franz Paul de Almeida 1948. A Casa dos Vinte e quatro de Lisboa, subsídios para a sua história. Lisboa: Imprensa Nacional.

Magalhães, Dulce 2001. Consumos e sociabilidades na taberna: estudo preliminar de um caso. In Sociologia: Revista da Faculdade de Letras. Porto: FLUP, I Série, vol. 11, pp. 107-119.

Magalhães, Dulce 2010 Vinhos – arte e manhas em consumos sociais: a apreensão de uma prática sociocultural em contexto de mudança. Porto: Edições Afrontamento.

Marques, Gonçalo 2016. Dinâmicas patrimoniais e enoturísticas no Entre Douro e Minho: responsabilidade social e participação comunitária. In Governança e Turismo (coord. Agustin Santana Talavera, Eduardo Gonçalves e Xerardo Pereiro Perez), Cadernos de Turismo nº 3. Maia: ISMAI, pp. 289-308.

Marques, José 2009. Saberes e Patrimónios do Vinho para a sustentabilidade do enoturismo e turismo em espaço rural. In Enoturismo e Turismo em Espaço Rural. Maia: ISMAI, pp. 341-350.

Martinho, Nuno 1993. O Nascer das Confrarias. In Revista de Vinhos”, nº 42, p. 50.

Mauss, Marcel 2013. Sociologie et Anthropologie. Paris: Presses Universitaires de France (13eme édition).

Mota, António Santos 2003. Confrarias Báquicas Portuguesas: Breve História do seu movimento associativo. Lisboa: Litexa.

Pais, José Machado 2006. Nos Rastos da Solidão: deambulações sociológicas. Porto: Ambar.

Pintão, Manuel e Cabral, Carlos 2012. Dicionário Ilustrado do Vinho do Porto. Porto: Porto Editora.

Turismo de Portugal, Instituto Público (2006). Gastronomia e Vinhos: Produto Estratégico para o Desenvolvimento Turístico em Portugal. Lisboa: T.P – I.P

UNWTO 2012. Global report on food tourism. Madrid: United Nations World Tourism Organization. [URL: http:// dtxtq4w60xqpw.cloudfront.net/sites/all/files/pdf/global_report_on_food_tourism.pdf].

Ritchie, B. W; Burns, P. & Palmer, C, ed. 2005. Tourism Research Methods – integrating theory with practice. Oxfordshire: Cabi Publishing.

Sá, Isabel dos Guimarães 1996. As Confrarias e as Misericórdias. In OLIVEIRA, César, (dir). História dos municípios e do poder local : dos finais da idade média à União Europeia. Lisboa : Círculo de Leitores.

Sampaio, Francisco 1991. O Produto Turístico do Alto Minho. Viana do Castelo: Região de Turismo do Alto Minho.

Sampaio, Francisco 2007. A Gastronomia do Eixo Atlântico. Vigo: Nigratrea.

Santos, Figueiredo 2002. Turismo – Mosaico de Sonhos: incursões sociológicas pela cultura turística. Lisboa: Colibri.

Smith, Melanie e Richards Greg, eds 2013. The Routledge Handbook of Cultural Tourism. New York: Routledge.

Talavera, Agustin Santana 1997. Antropologia y Turismo: Nuevas Hordas, Viejas Culturas? Barcelona: Ariel.

Talavera, Agustin Santana; Darias, Alberto e Rodriguez, Pablo (coords). 2012. Responsabilidad y Turismo. El Sauzal (Tenerife): Colecion Pasos Edita, nº 10.

Xiao, Honggen 2006. Case studies in tourism research: A state-of-the-art analysis. In Tourism Management, Volume 27, Issue 5. London: Elsevier, pp. 738–749.

Publicado
2017-06-25
Cómo citar
Marques, G. (2017). Las Cofradías de Báquicas y las Enomemórias en la promoción del Turismo. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 15(3), 687-712. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2017.15.046
Sección
Artículos