Magia para quem? Uma análise crítica do intercâmbio de turismo na Disney World

Autores/as

  • Paola Rodrigues de Matos
  • Maria de Lourdes Borges

DOI:

https://doi.org/10.25145/j.pasos.2018.16.029

Palabras clave:

Turismo de Intercâmbio, Gestão das emoções, Disney

Resumen

Este trabalho objetiva analisar criticamente as percepções de encantamento e/ou desencantamento de jovens brasileiros que passaram por experiências de intercâmbio na cultura organizacional da Walt Disney World (Orlando). Foi realizada uma pesquisa qualitativa e entrevistados 17 ex-intercambistas brasileiros que trabalharam na Disney no período de 2008 a 2013. Uma análise de conteúdo foi realizada sobre os dados sistematizados. Os resultados indicam que, por meio do mote do encantamento e da magia, é exigido dos intercambistas um trabalho emocional dentro da cultura organizacional afetiva da Disney que tem como prerrogativa a exibição incondicional de emoções de felicidade e alegria por parte dos trabalhadores. Além da força laboral, a simpatia do trabalhador é mercantilizada e revertida em lucro para a empresa por meio de uma gestão das emoções, onde a regulação emocional ocorre em meio tanto à falta de crítica quanto ao desencantamento diante de exigências físicas e emocionais exaustivas.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Almeida, Alexander M., Lotufo Neto, Francisco. 2003. “Diretrizes metodológicas para investigar estados alterados de consciência e experiências anômalas.” Revista de Psiquiatria Clínica. 30(1): 21-28.

Baldissera, Rudimar. 2000. “Comunicação organizacional: O treinamento de recursos humanos como rito de passagem”. São Leopoldo: Ed. Unisinos.

Bardin, Laurence. 2006. “Ana´lise de conteu´do”. Lisboa: Edic¸o~es 70.

Bryant, Melanie y COX, Wolfram. 2006. “Loss and emotional labour in narratives of organizational change.” Journal of Management and Organization, 12(2): 116-130.

Cacciatore, Stacy 2014. “The Walt Disney Company: Reinforcing Culture and Values to Employees”. Disponível em: https:// stacycacciatore.wordpress.com/2014/12/30/the-walt-disney-company-reinforcing-culture-and-values- -to-employees Acesso em: 22 mai. 2017

Capellini, Vera L. M.; Machado, Gislaine M.; Sade, Rossana M. S. 2012. “Contos de fadas: recurso educativo para crianças com deficiência intelectual”. Psicologia da Educação, (34): 158-185.

Carrasco, Isis; Tomazzoni, Edegar. 2015. “Turismo de intercâmbio cultural por estudantes e profissionais brasileiros no exterior”. TURyDES, 8(19): 1-26.

Connellan, Ton. 2006. “Nos Bastidores da Disney”. Rio de Janeiro: Futura, 2006.

Disney Careers. 2017. Disponível em: https://jobs.disneycareers.com/international-programs Acesso em: 25 mai. 2017.

Disney Institute. 2011. “O jeito Disney de encantar os clientes” . São Paulo: Saraiva.

Faleiros, Fabiana et al. 2016. “Uso de questionário online e divulgação virtual como estratégia de coleta de dados em estudos científicos”. Texto & Contexto - Enfermagem, 25(4), e3880014.

Freeman, Caryn. 2014. “Disney’s Focus on Employees Allows Employees to Focus on Customers”. HR Focus, 91(7): 13-14.

Freitas, Maria Ester. 1991. “Cultura Organizacional: formação, tipologia e impactos”. São Paulo: Makron, McGraw-Hill.

Freitas, Maria Ester. 1997. “Cultura Organizacional: Sedução & Carisma?”. Tese (Doutorado em Administração) São Paulo: EAESP/FGV.

Gross, James J. 2008. “Emotion Regulation” in: Lewis, Michael; Haviland-Jones, Jeanette M.; Feldman Barrett, Lisa (eds). Handbook of emotions. New York: The Guilford Press..

Hill, Charles W. L. 2000. “Disney in France”.In: International Business, Competing in the Global Marketplace. University of Washington.

Hochschild, Arlie R. 1983. “The Managed Heart”. Los Angeles: University of California Press.

Hooey, Bob. 2016. “We seek not to imitate the masters; rather we seek what they sought.” The Walt Disney Company. Canadian Manager, 41(3): 25-27.

Kozleski, Elizabeth 2017. “The Uses of Qualitative Research: Powerful Methods to Inform Evidence-Based Practice in Education”, Research and Practice for Persons with Severe Disabilities, 42(1): 19-32.

Minayo, Maria Cecília. 2009. “O desafio da pesquisa social”. In: Minayo, Maria C.; Deslandes, Suely; Gomes, Romeu. “Pesquisa Social: teoria, método e criatividade”. Petrópolis: Vozes.

Nader, Ginha. 2007. “A magia do império Disney”. São Paulo: Editora SENAC.

Patrick Reilly, Staff. 2017. “Disney’s $3.8 million labor violation: Costumes pushpaychecksbelowminimumwage.” Christian Science Monitor, (March 18): n.pag.

Pell, Arthur R. 1998. “The complete idiot’s guide to managing people”. New York: Penguin.

Reyers, Anne. 2011. “Emotional regulation at waltdisney world: deep acting vs. Surface acting”. Thesis of Master of Arts in the Department of Communication - College of Sciences at the University of Central Florida Orlando, Florida.

Richardson, Robert J. et al. 1999. “Pesquisa social: métodos e técnicas”. São Paulo: Atlas.

Rodrigues, Ana Paula G.; Gondin, Sônia Guedes. 2014. “ Expressão e regulação emocional no contexto de trabalho: um estudo com servidores públicos.” Rev. Adm. Mackenzie 15(2): 38-65

Schein, Edgar H. 2004. “Organizational Culture and Leadership”. 3. ed. San Francisco, CA: Jossey-Bass.

Smollan, Roy; Sayers, Janet. 2009. “Organizational culture, organizational change and emotions: a qualitative study”. JournalofChange Management. 9(4): 435-457.

Silva, Fabi´ola; Lucio, Emellyne; Barreto, Leilianne. 2013. “Treinamento, desenvolvimento e educação de pessoas em turismo: case Disney.” Revista Hospitalidade X(2): 275 – 295.

Soto, Eduardo. 2002. “Comportamento organizacional: O impacto das emoções”. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Wangberg. Connie R. 2012. “The Oxford Handbook of Organizational Socialization”. New York: Oxford University Press.

Yin. Robert K. 2005. “Estudo de caso: planejamento e métodos”. Porto Alegre: Bookman.

Publicado

2018-04-24

Cómo citar

Matos, P. R. de, & Borges, M. de L. (2018). Magia para quem? Uma análise crítica do intercâmbio de turismo na Disney World. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 16(2), 415-428. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2018.16.029

Número

Sección

Artículos