Destinos Indutores e Desenvolvimento Turístico Regional: Um Problema de Intergovernabilidade?

  • Magnus Luiz Emmendoerfer Universidade Federal de Vicosa - UFV http://orcid.org/0000-0002-4264-8644
  • Érica Beranger Silva Soares
  • Joaquim Filipe Esteves Ferraz de Araújo Universidade do Minho - UM
  • Júlio da Costa Mendes Universidade do Algarve
  • Nina Rosa da Silveira Cunha
Palabras clave: governo, Minas Gerais, Brasil.

Resumen

O objetivo é compreender como ações direcionadas por um governo nacional pode afetar políticas, programas e projetos de desenvolvimento local no contexto do turismo. Assim, o objetivo central é analisar a interferência de um projeto nacional de regionalização do turismo nas ações planejadas de governos subnacionais de cidades turísticas (destinos) no Brasil. Teoricamente foram abordadas questões relacionadas à Gestão Pública e ao Turismo. Realizaram-se pesquisas documental e de campo em 16 destinos turísticos do Estado de Minas Gerais - Brasil, cujos dados coletados foram tratados com a técnica de análise de conteúdo. Constatou-se que o projeto nacional analisado contribuiu para a desestabilização de uma política estadual vigente, apresentando falhas relacionadas à intergovernabilidade, como problemas de coordenação e planejamento.

Citas

Abrucio, Fernando L. A. 2005. “Coordenação Federativa no Brasil: a experiência do período FHC e os desafios do Governo Lula”. Revista Sociologia Política. 24:41-67.

Acerenza, Miguel A. 2003. Administração do Turismo. v. 2. Bauru, SP: EDUSC.

Anderson, George. 2009. Federalismo: uma introdução. Rio de Janeiro: FGV.

Arretche, Marta. 2004. “Federalismo e Políticas Sociais no Brasil: problemas de coordenação e autonomia” São Paulo em Perspectiva. 18(2):17-26. [en línea] http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392004000200003. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Bardin, Lawrence 2009. Análise de Conteúdo. 4.ed. Lisboa: Edições 70.

Beni, Mario C. 2006. Política e Planejamento de Turismo no Brasil. São Paulo: Aleph.

Brasil 2008. Programa de Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil. Brasília: Ministério do Turismo. [en línea] http://www.fbcevb.com.br/docs/downloads/plano_nacional_de_turismo_pnt_2007_2010.pdf. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Brasil 2015. Estudo de Competitividade – Indutores Brasil. Brasília: Ministério do Turismo. [en línea] http:// www.dadosefatos.turismo.gov.br. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Castaño, José M., Moreno, Alfredo y Crego, Antonio. 2006. “Factores psicosociales y formación de imágenes em el turismo urbano: um estudio de caso sobre Madrid”. PASOS. Revista de Turismo y Património Cultural, 4(3):287-299. [en línea] http://www. pasosonline.org/Publicados/4306/PS010306.pdf. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Cooper, Chris, Fletcher, John, Fyall, Alan, Gilbert, David y Wanhill, Stephen. 2007. Turismo, Princípios e Prática. 3 ed. São Paulo: Bookman. Costa, Caio C. M., Soares, Érica B. S. y Emmendoerfer, Magnus. L. 2011. “Análise da relação entre desejos turísticos e condições socioeconômicas de destinos no Brasil. Ad­ministração Pública e Gestão Social, 3(3):344-185. [en línea] http://www.apgs.ufv.br/index.php/apgs/ article/view/67/204. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Cruz, Rita C. A. 2006. “Planejamento governamental do turismo: convergências e contradições na produção do espaço”. En Lemos, Amalia I. G., Arroyo, Mônica y Silveira, María L. América Latina: cidade, campo e turismo. San Pablo: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. [en línea] http://bibliotecavirtual. clacso.org.ar/ar/libros/edicion/lemos/19cruz.pdf. [Consulta: 17 de novembro 2015].

Dias, Reinaldo. 2008. Planejamento do Turismo – Política e desenvolvimento do turismo no Brasil. São Paulo: Atlas.

Emmendoerfer, Magnus L., Silva, Fernanda C. y Lima, Afonso A. T. F. C. 2011. “Evidências de Inovação Social na Gestão Pública do Turismo em Minas Gerais – Brasil: O Modelo de Circuitos Turísticos em Análise”. PASOS. Revista de Turismo y Patrimônio Cultural. 9(2):397-410. [en línea] http://www.pasosonline.org/Publicados/9211/PS0211_14.pdf. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Emmendoerfer, Magnus L. y Soares, Érica B.S. 2014. “Análise do desenvolvimento turístico e da denominação designada pelo governo para qualificar cidades como destinos indutores do turismo em Minas Gerais, Brasil”. Revista Turismo & Desen­volvimento, 3(21/22):139-151. [en línea] https://www.ua.pt/ReadObject.aspx?obj=34847. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Farah, Marta F. S. 1999. “Parcerias, novos arranjos institucionais e políticas locais”. En Fundação Prefeito Faria Lima. O município no Século XXI, cenários e perspectiva (pp.325-343). São Paulo: CEPAM, 1999.

Fayos-Solà, Eduardo y Alvarez, Maria D. 2014. “Tourism Policy and Governance for Development”. En E. Fayos-Solà, Eduardo, Alvarez, Maria

D. y Cooper, Chris. (Eds.). Tourism as an Instrument for Development: A Theoretical and Practical Study (pp. 101-124). London: Emerald Group Publishing. DOI 10.1108/S2042-144320140000006005.

Frey, Klaus. 2000. “Políticas Públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil”. Planejamento e Políticas Públicas. 21:211-259. [en línea] http://www.en.ipea.gov. br/ppp/index.php/PPP/article/viewFile/89/158. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Gibson, Edward L. 2004. “Federalism and Democracy: Theoretical Connections and Cautionary Insights”. En Gibson, Edward L. (ed.). Federalism and Democracy in Latin America (pp.1-28). Baltimore: Johns Hopkins University.

Guimarães, Maria C. L. 2002. “O debate sobre a descentralização de políticas públicas: um balanço bibliográfico”. Organizações & Sociedade. 9(23), 2002. [en línea] http://www.spell.org.br/documentos/download/22854. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Hall, Colin Michael. 2004. Planejamento turístico: políticas, processos e relacionamentos. 2.ed. São Paulo: Contexto.

Hood, Christopher. 1983. The Tools of Government (Public Policy and Politics). London: Palgrave Macmillan.

Howlett, Michael. 1991. “Policy Instruments, Policy Styles and Policy Implementation”. Policy Studies Journal, 19(2):1-21.

McCann, Pamela J. C., Shipan, Charles R. y Volden, Craig 2015. “Top-Down Federalism: State Policy Responses to National Government Discussions”. Publius, 45(4): 495-525. [en línea] http:/doi:10.1093/publius/pjv013. [Consulta: 17 de novembro 2015].

Minas Gerais 2015. Diretrizes da Política Pública de Turismo de Minas Gerais. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Turismo. [en línea] http://www.turismo.mg.gov.br. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Moran, Michael, Rein, Martin y Goodin, Robert E. 2006. The Oxford Handbook of Public Policy, Oxford: Oxford University Press.

Neves, Estela M. S. C. 2012. “Política ambiental, municípios e cooperação intergovernamental no Brasil”. Estud. av., 26(74):137­-150. [en línea] http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142012000100010. [Consulta: 17 de novembro 2015].

Oppenheim, Abraham N. 2001. Questionnaire design, interviewing and attitude measurement. London: Continuum.

Pimentel, Mariana P. C. 2014. “A dimensão institucional das políticas públicas de turismo no Brasil. En Pimentel, Thiago D.,

Emmendoerfer, Magnus L. y Tomazzoni, Edegar L. (Orgs.) Gestão Pública do Turismo no Brasil: teorías, metodologías e aplicações (pp.15-38). Caxias do Sul: EDUCS.

Quintero, Victor M. 2011. “Evaluación de políticas culturales con enfoque de desarrollo local”. En Seminario: cultura y desarrollo. Diseño de indicadores. Ciudad de Mexico. [en línea] http://redlacme.org/forum/attachment/ download?id=4315104%3AUploadedFile%3 A48838. [Consulta: 17 de novembro 2015].

Radin, Beryl A. 2010. “Os instrumentos da gestão intergovernamental”. En Peters, B. Guy y Pierre, Joy (Orgs.), Administração Pública: coletânea (pp. 597-618). São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: ENAP.

Rodrigues, Miguel Â. V. y Araújo, Joaquim Filipe E. F. de. 2005. A nova gestão pública na governança local. Bragança: INA. Working Paper. [en línea] https:// bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/1627/1/Artigo%20-%20A%20NOVA%20GEST% C3%83O%20 P%C3%9ABLICA%20NA%20GOVERNA%C3%87%C3%83O%20LOCAL.pdf [Consulta: 29 de fevereiro 2016].

Ruschmann, Dóris. 2010. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. 16.ed. Campinas, SP: Papirus.

Salamon, Lester M. 1981. “Rethinking Public Management: Third Party Government and the Changing Forms of Government Action”. Public Policy. 29(3):255-75.

Schakel, Arjan H. 2015. “Policy Making in Multilevel Systems: Federalism, Decentralisation, and Performance in the OECD Countries.” Regional & Federal Studies. [ahead-of-print].

Secchi, Leonardo. 2013. “Políticas Públicas: Conceitos, Esquemas de Análise, Casos Práticos”. 2.ed. São Paulo: Cengage Learning.

Soares, Érica B. S., Emmendoerfer, Magnus L. y Monteiro, Lara P. 2013. “Gestão pública no turismo e o desenvolvimento de destinos turísticos em um estado da Federação Brasileira: uma análise do planejamento estratégico do turismo em Minas Gerais (2007-2010)”. TMStudies, 9(2):50-56. [en línea] http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2182­-84582013000200008&lng=pt&nrm=iso. [Consulta: 17 de novembro 2015].

Souza, Celina. 2006. “Políticas Públicas: uma revisão de literatura”. Sociologias. 8(16): 20-45. [en línea] http://www. scielo.br/pdf/soc/n16/a03n16. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Tomazzoni, Edegar L. 2009. Turismo e desenvolvimento regional: dimensões, elementos e indicadores. Caxias do Sul: Educs.

Trentin, Fábia. 2015. “Políticas de Turismo no Brasil: Tomada de Decisão e Análise das Estruturas de Governança nos Destinos Turísticos de Armação dos Búzios e de Paraty no Estado do Rio de Janeiro, Brasil”. Tese (Doutorado em Turismo, Lazer e Cultura). Universidade de Coimbra, Coimbra.

Velasco-González, María. 2006. “Gestión de destinos: ¿gobernabilidad del turismo o gobernanza del destino? La presente comuni­cación se integra en el proyecto de investigación Dinámicas recientes y estrategias de intervención en destinos patrimoniales”. Ministerio de Educación y Ciencia. Plan Nacional de I+D+I (2004-2007). Referencia: SEJ2006-10898/GEOG.

Wallingre, Noemí. 2009. “La definición de productos en los destinos turísticos”. En Wallingre, Noemí y Villar, Alejandro. (Orgs.) Desarrollo y gestión de destinos turísticos (pp.183-204). Bernal: Universidad Nacional de Quilmes. [en línea] http://www.unq.edu.ar/advf/documentos/50364b1714cc8.pdf. [Consulta: 20 de novembro 2015].

Publicado
2016-07-24
Cómo citar
Emmendoerfer, M., Soares, Érica, Araújo, J., Mendes, J., & Cunha, N. (2016). Destinos Indutores e Desenvolvimento Turístico Regional: Um Problema de Intergovernabilidade?. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 14(3). https://doi.org/10.25145/j.pasos.2016.14.048
Sección
Artículos