Experiências com a gastronomia local: um estudo de caso sobre movimento slow food e o turismo gastronômico na cidade de Recife - Brasil

Autores/as

  • Uiara Maria Oliveira Martins Universidade de Aveiro
  • José Clerton de Oliveira Martins Universidade de Fortaleza - UNIFOR
  • Lorena Ibiapina Gurgel Univesridade de Fortaleza- UNIFOR

DOI:

https://doi.org/10.25145/j.pasos.2016.14.015

Palabras clave:

Slow Food, Cultura local, Contemporaneidade, Gastronomia

Resumen

 O Movimento Slow Food e o Turismo Gastronômico desenvolvem experiências com a gastronomia em dimensões diferentes. Com efeito, as atividades realizadas por cada um desses atores são complementares e podem contribuir para potencializar por um lado a produção e a preservação da cultura local e, por outro, oferecer um atrativo turístico de qualidade e que corresponda às expectativas dos turistas gastronômicos. Desta forma, este estudo buscou observar roteiros gastronômicos planejados pelo movimento Slow Food na cidade de Recife?Brasil, em conjunto com uma agência de viagens, priorizando verificar as repercussões da referida parceria. A coleta de dados realizou?se por meio de questionários, cujos dados coletados foram submetidos a uma análise de conteúdo. Os resultados apontaram que a integração do movimento Slow Food com agentes turísticos, constituem uma parceria que pode contribuir positivamente para o desenvolvimento do turismo gastronômico.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Bardin, L. 2002. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brasil. 2011. Estudo da demanda do turismo Internacional no Brasil. Disponível em: http://www.turismo.gov. br/turismo/noticias/todas_noticias/Noticias_download/Estudo_da_Demanda_do_Turismo_Interna­cional_no_Brasil.pdf. Acessado em 02 de Março de 2014.

Brasil. 2012. Caracterização e Dimensionamento do Turismo Doméstico no Brasil (2010/2011)-Relatório Executivo.Disponível em: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/export/sites/default/dadosefatos/ demanda_turistica/downloads_demanda/Demanda_domxstica_-_2012_-_Relatxrio_Executivo.pdf. Acessado em 02 de Março de 2014.

Bertella, G. 2011. Knowledge in food tourism: the case of Lofoten and Maremma Toscana. Current Issues in Tourism, 14(4), 355–371.

Bratec, M. (s/d). Sustaining through Gastronomy: The Case of Slow Food Movement in Slovenia, its Impacts on Socio-cultural Environments and Tourism Development. Disponível em: http://ertr.tamu.edu/ files/2012/09/405_Bratec.pdf. Acessado em 08 de Maio de 2014.

Buhalis, D. e Costa, C. 2006. Tourism Management Dynamics: trends, management and tools. Oxford: Elsevier-UK.

Costa, L. 2011. Gastronomia e Cultura -Um diálogo gastronômico através da cozinha paraense (Monografia apresentada ao Curso de Graduação em Produção Cultural) Universidade Federal Fluminense, Niterói.-Rio de Janeiro.

Fagliari, G. 2005. Turismo e Alimentação. São Paulo: Roca.

García-Sáchez, A., & Albuquerque-García, F. 2003. “El Turismo Cultural y El de Sol y Playa: Substitutivos o complementarios?”. Cuadernos de Turismo, 11: 97-105.

Gil, A. 1991. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Hall, (s/d). Culinary Tourism and Regional Development: From Slow Food to Slow Tourism? Disponível em: https:// www.academia.edu/151720/Culinary_tourism_and_regional_development_From_slow_food_to_slow_tou­rism. Acessado em 10 de Maio de 2014.

Hall, M., Sharples, L., Mitchell, R., Macionis, N., & Cambourne, B. 2003. Food Tourism Around The World: development, management and markets. Oxford: Elsevier Science.

Honoré, C. 2007. Devagar: como um movimento mundial está desafiando o culto à velocidade. Rio de Janeiro: RECORD.

Jones, A., e Jenkins, I. 2002. “ A Taste of Wales – Blas Ar Gymru ”: institutional malaise in promoting Welsh food tourism products. In G. Richards (Ed.), Tourism and gastronomy (pp. 115–131). London: Routledge

Leopardi, M. T., Beck, C., Nietsche,. A., Gonzales,. B. 2002. Metodologia da pesquisa na saúde. Florianópolis: UFSC/Pós-Graduação em Enfermagem.

Long, M. 2004. Culinary Tourism. Lexington: University of Kentuck.

Martins, U., Baptista, M. e Costa. C. 2014. “O potencial da tapioca como um produto turístico cultural do destino Fortaleza-Brasil”. Revista Turismo e Desenvolvimento (1), 21/22:191-204.

Poon, A. 1994. “The New Tourism Revolution”. Tourism Management, (2), 15: 91-92.

Poulain, J. 2008. “Los Patrimonios Gastronómicos y sus valorizaciones turísticas”. In Tresserras, J. & F. Medina,

F. (Eds) Patrimonio Gastronómico y, turismo Cultural en el Mediterráneo (pp.39-72). Barcelona: IBERTUR.

Richards, G. 2002. “Gastronomy: an essential ingredient in tourism production and consumption?” In .Hjalager, A. & Richards, G. (Eds.) Tourism and Gastronomy. (pp. 3–20). London: Routledge.

Talavera, A. 2009. Antropologia do Turismo, São Paulo: Aleph.. Schluter, R. 2003. Gastronomia e Turismo, São Paulo: Aleph.

Schluter, R. 2006. Turismo Y Patrimonio Gastronómico-Una perspectiva. Buenos Aires: Centro de Investigaciones Y Estudios Turísticos-CIET.

Steinmetz, R. 2010. Food, Tourism and Destination Differentiation : The Case of Rotorua, New Zeland.( Tese de Doutoramento) Auckland University- School of Hospitality and tourism., Nova Zelândia.

Triviños, A. 2007. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas.

Weiner, S. 2005. O manual do Slow Food (L. Sardo, Trans.). (2a ed.). Itália: Slow Food.

Westering, J. 1999. “Heritage and Gastronomy: the pursuits of the ’new tourist ‘”. International Journal of Heritage Studies, (2), 5:75-81.

Yin, R. 2001. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ª Ed. Porto Alegre. Editora: Bookmam.

Publicado

2015-05-30

Cómo citar

Martins, U. M. O., Martins, J. C. de O., & Gurgel, L. I. (2015). Experiências com a gastronomia local: um estudo de caso sobre movimento slow food e o turismo gastronômico na cidade de Recife - Brasil. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 14(1), 229-241. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2016.14.015

Número

Sección

Artículos