La domesticación del turismo: Estrategias de los Pataxó en relación a los agentes y agencias de viajes en Red Crown

Autores/as

  • Sandro Campos Neves Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.25145/j.pasos.2015.13.040

Palabras clave:

Turismo, Economia

Resumen

As relações entre os índios Pataxó de Coroa Vermelha, município de Santa Cruz Cabrália-BA e os agentes de turismo regionais, notadamente as agências de turismo receptivo são fundamentais para a sociabilidade local. Através da realização de pesquisa etnográfica em visitas intercaladas à aldeia de Coroa Vermelha, compreendendo um período total de oito meses, observei e descrevi a contemporaneidade do processo de implantação entre eles da atividade turística, sem descuidar de uma perspectiva diacrônica. Proponho a interpretação desse processo como a apropriação indígena do turismo, na expressão que utilizei para descrever o que compreendo como a pacificação/domesticação pelos índios da atividade turística. Nesse processo, conforme descrevo, os Pataxó lançam mão de sutis e sofisticadas estratégias de emulação, imitação e contraste com os conceitos e objetos “dos brancos” utilizados para fazer o turismo. Proponho que através de uma leitura etnograficamente informada dessas estratégias é possível compreender a forma como os Pataxó articulam a manutenção da tradição e a instituição da mudança em sua sociedade, constituindo-se como protagonistas delas e não como suas vítimas.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Albert, B & Ramos A.R. (orgs.) 2002. “Pacificando o Branco: Cosmologias do Contato no Norte-amazônico. São Paulo: Ed. UNESP; Imprensa Oficial do Estado.

Anjos Junior, E.S. 2008. “Um olhar antropológico sobre a relação cultura-turismo em Porto Seguro-BA: Reflexões sobre a baianidade”, Dissertação de Mestrado, Ilhéus-BA.

Barth, F. 2002. “An Anthropology of Knowledge” In: Current Anthropology, The Weener-Gren Foundation for Anthropological Research, Volume 43, Number 1, February.

Bourdieu, P. 2004. O poder simbólico. 7a edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brunelli, L.H. 2007. “Caracterização e análise do produto turístico costa do descobrimento: uma abordagem acerca do patrimônio cultural.” Dissertação de Mestrado, Ilhéus-Ba.

Cancela, F., 2007. “A Presença de Não-índios nas Vilas de Índios de Porto Seguro: Relações Interétnicas, Territórios Multiculturais e Reconfiguração de Identidade – Reflexões Iniciais”. In: Espaço Ameríndio. V.1. N.1. Porto Alegre.

Carneiro da Cunha, M. 2009. “Etnicidade: da cultura residual, mas irredutível”. In: Cultura com Aspas. São Paulo, Cosac Naify.

Carvalho, M. R. G. 1977. “Os Pataxó de Barra Velha: seu subsistema econômico”. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, UFBA, Salvador.

Castro, M.S.M. 2008. “A Reserva Pataxó da Jaqueira: o passado e o presente das tradições.” Dissertação de Mestrado. PPGAS/UNB, Brasília.

Cole, S. 2007. “Beyond Authenticity and Commodification” In: Annals of Tourism Research V.34 n.4 pp. 943-960.

Graburn, N. H. H. , 1984. “The Evolution of Tourist Arts” in: Annals of Tourism Research. vol. 11, 1984. p. 393-419.

Grunewald, R.A. 1999. “Os ‘Índios do Descobrimento’: tradição e turismo.” Tese de Doutorado. Rio de janeiro:UFRJ/MN/PPGAS. 2004. “Etnogênese e ‘regime de índio’ na serra do Umã” In: OLIVEIRA, J.P. (Org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena. 2.ed. Rio de Janeiro: Contra Capa/ LACED 2004. Hobsbawn, E.& Ranger, T. (Org.). 1984. “A invenção das tradições.” Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Kohler, F. s/d “Uma Gênese Pataxó: o massacre de 51”. Sem indicação de referência da publicação.

Krippendorf, J. 1989. “Sociologia do Turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens.” Rio de. Janeiro: Civilização Brasileira.

Lac, F. 2006. “O turismo e os Kaingang na Terra Indígena de Iraí/RS.” Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, UFPR, Curitiba, 2006

Lévi-Strauss, C. 1982. !As estruturas elementares do parentesco.” Petrópolis: Vozes.

Leme, F.B.M. 2013. “Das pregnâncias simbólicas às novas possibilidades de significação - uma abordagem multidisciplinar sobre os guias de turismo e as narrativas sobre a cidade de Salvador.” Tese de Doutorado, Salvador: Programa de Pós-Graduação em cultura e Sociedade (PÓSCULTURA).

Maccanel, D. 1992. “Reconstructed ethnicity: tourism and cultural identity in Third World communities.” In: McCannel. Empty meeting grounds. London Routledge. p.158-171

Miranda, S.S. 2006. “A construção da identidade Pataxó: práticas e significados da experiência cotidiana entre crianças de Coroa Vermelha.” Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2009. “Aprendendo a Ser Pataxó: um olhar etnográfico sobre as habilidades produtivas das crianças de Coroa Vermelha Bahia.” 244f. 2009. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação em Antropologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Molina, S. 2003. “O pós-turismo.” São Paulo: Aleph.

Neves, S.C. 2012. “A apropriação indígena do turismo: os Pataxó de Coroa Vermelha e a expressão da tradição.” Tese de Doutorado. Salvador: UFBA/PPGA. 2010. Eficácia ritual e eficácia turística: o ritual do Awê entre os Pataxó meridionais e o turismo. Cultur. Ano 04 n.2, pp.92-103.

Oliveira C. V. 2001. “Barra Velha - A Verdadeira História dos Índios Pataxó”, 2001

Oliveira, J.P. (Org.) 2004. “A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena.” 2.ed. Rio de Janeiro: Contra Capa/ LACED.

Oliveira, V.M. 2006. “Turismo, Território e Modernidade: um estudo da população indígena Krahô, Estado do Tocantins (Amazônia Legal Brasileira).” Tese de Doutoramento, Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Reisinger, Y. & Steiner, C.J. 2006. “Reconceptualizing Object Authenticity.” In: Annals Of Tourism Research. V.33 N.1 pp.65-86. Rolnik, S. 1986. “Micropolítica.” Cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

Sahlins, M.D. 2007. “Adeus aos tristes tropos: a etnografia no contexto da moderna história mundial.” In: SAHLINS, M.D. Cultura na prática. Rio de Janeiro, Editora da UFRJ. 2007b

A sociedade afluente original. In: SAHLINS, M.D. Cultura na prática. Rio de Janeiro, Editora da UFRJ. 1990. Ilhas de história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1997. O “pessimismo sentimental” e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um objeto em vias de extinção. In: Mana 3(1): p 41-73, Rio de Janeiro.

Sampaio, J. A. L. 1993. “Relatório de Viagem e Parecer sobre a Situação Fundiária da Terra Indígena Mata Medonha” Salvador, 1993 1993. “Relatório de Viagem: Anuência Terra Indígena Imbiriba” Salvador 1996. “Sob o signo da cruz.” Relatório circunstanciado de identificação e delimitação da terra indígena Pataxó de Coroa Vermelha.” Salvador, 1996. 1994. “Breve Histórico da Presença Indígena e as Atuais Comunidades Pataxó do Baixo Extremo Sul da Bahia.” Salvador. 46 p. 1997. Coroa Vermelha 1997: Garantia da Terra Indígena e Impasses no “Quintocentenário do Descobrimento”. Salvador. 2000. “Pataxó: Retomadas na Rota do Quinto Centenário” Salvador.

Toren, C. 1988. “Making the present, revealing the past: The mutability and continuity of tradition as process.” In: Man, New Series, v.23 n.4 Royal Anthropologic Institute of Great Britain and Ireland, pp.696-717.

Van Den Berghe, P & Keyes, C. “Introduction: tourism and re-criated ethnicity”. Annals of Tourism Research. v11 p.343-352, 1984

Publicado

2014-07-07

Cómo citar

Neves, S. C. (2014). La domesticación del turismo: Estrategias de los Pataxó en relación a los agentes y agencias de viajes en Red Crown. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 13(3), 567-580. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2015.13.040

Número

Sección

Artículos

Artículos similares

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 > >> 

También puede {advancedSearchLink} para este artículo.