Percepção de diferentes grupos sociais sobre o ordenamento da exploração turística das piscinas naturais de Maragogi

Autores/as

  • Talita Fortaleza de Lima Universidade Federal de Alagoas
  • Gerson Ernesto Varela Lopes Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.25145/10.25145/j.pasos.2014.12.004

Palabras clave:

Turismo, Percepción ambiental, Representaci´ón social, Ordenamiento ambiental, Gestión participativa

Resumen

La forma en que la gente valora la naturaleza está influenciada por sus vivencias y experiencias. En ese sentido, este artículo hace un análisis sobre la percepción de distintos grupos sociales sobre la exploración turística de las piscinas naturales de Maragogi – Alagoas, Brasil. La metodología incluye investigaciones bibliográficas sobre representación social y percepción ambiental, y entrevistas semiestructuradas con representantes del poder público, iniciativa privada, población local. A pesar de algunas visiones similares, en la mayoría de los casos, los entrevistados relataron actitudes y opiniones divergentes sobre la exploración turística y las posibles soluciones para su ordenamiento. Es esencial para este proceso una mejor articulación entre poder público, iniciativa privada y sociedad civil con el fin de minimizar los conflictos y potenciar los beneficios del sector turístico.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Alves, Charles dos Reis; Castro, Luciana Luísa Chaves; Bomfim, Natanael Reis. 2011 “Representações Sociais do espaço urbano turístico de Ilhéus, Bahia (Brasil), na perspectiva do residente”. Turismo & Sociedade, 4(2): 200 -222.

Barros, Magno Valença de 2005 “A contribuição da participação sociopolítica para o desenvolvimento sustentável no município de Maragogi, Alagoas”. Maceió: UFAL, 2005. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente), PRODEMA, Universidade Federal de Alagoas. Brasil

“Decreto -Lei n° 9.985 de 7 de julho de 2000”. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília. Brasil

“Decreto -Lei n° 9.985 de 7 de julho de 2000”. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília.

Castello, L 2005 “Environmental psychology and environmental policy: Strategies for the con struction of the future”. Psicologia. USP, 16(1/2): 223- -236.

Dias, Reinaldo 2008 “Planejamento do turismo: políticas e desenvolvimento do turismo no Brasil”. São Paulo: Atlas.

Ferreira, Jurandyr Pires 1959 “Enciclopédia dos Municípios Brasileiros volume 31”. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Gambarinni, Adriano 2009 “Férias no Nordeste”. Disponível em: <http://www.viajeaqui.abril.com.br/national- -geographic/blog/143392_comentarios.shtml? 8166693>. Acesso em: 23 fev. 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística –

IBGE 2010 “Cidades – Alagoas: Maragogi”. Disponível em: <http://ibge.gov.br/cidadesat/topwindow. htm?1> Acesso: 20 out. 2012.

Kaspary, Manuela Grace de Almeida Rocha 2012 “O desenvolvimento local e o desenvolvimento turístico do município de Maragogi, Alagoas”. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo: Dinâmicas do Espaço Habitado) – Universidade Federal de Alagoas. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Maceió.

Lima, Talita Fortaleza de 2011 “Estudo do ordenamento da exploração turística das piscinas naturais de Maragogi com base em análise de stakeholders”. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Bacharelado em Geografia) – Universidade Federal de Alagoas. Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente. Maceió.

Merleau -Ponty, Maurice 1999 “Fenomenologia da percepção”. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

Moscovici, Serge 2003 “Representações sociais: investigações em psicologia social”. Rio de Janeiro, Vozes.

Oliveira, Nilza Aparecida 2006 “A Educação Ambiental e a Percepção Fenomenológica através de Mapas Mentais”. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Peterson, Anna 1999 “Environmental ethics and the social construction of nature”. Environmental Ethics, Denton. 21(4): 339 -57.

Piaget, Jean 1973 “Estudos Sociológicos”. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1973.

Primack, Richard B.; Rodrigues, Efraim 2011 “Biologia da Conservação”. Londrina: Efraim Rodrigues.

Roux, Michel 2004 “O re -encantamento do territótio (o território nos rastros da complexidade)”. En Silva, Aldo Aloísio Dantas da; Galeno, Alex (Orgs.), Geografia: ciência do complexus. Ensaios transdisciplinares. Porto Alegre: Sulina.

Silva, Merylane Porto da 2004 “Políticas ambientais para o desenvolvimento sustentável no estado de Alagoas: o caso de Maragogi”. Dissertação (Mestrado em Gestão e Políticas Ambientais) – Universidade Federal de Pernambuco. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Recife.

Soares, Sandra Maria Veríssimo 2005 “A percepção ambiental da população noronhense em relação à área de preservação ambiental”. Monografia (especialização). Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, PE, 96p.

Tonissi, Rosa Maria Tóro 2005 “Percepção e caracterização ambientais da área verde da microbacia do córrego da água quente (São Carlos, SP) como etapas de um processo de Educação Ambiental”. Tese apresentada à Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo.

Tuan, Yi -Fu 1980 “Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente”. São Paulo: Difel, 1980.

Descargas

Publicado

2013-06-27

Cómo citar

Fortaleza de Lima, T., & Varela Lopes, G. E. (2013). Percepção de diferentes grupos sociais sobre o ordenamento da exploração turística das piscinas naturais de Maragogi. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 12(1), 53-63. https://doi.org/10.25145/10.25145/j.pasos.2014.12.004

Número

Sección

Artículos