A noção de patrimônio no Brasil Império

Autores/as

  • Hernan Venegas Marcelo Universidade Federal do Rio Grande (FURG)/RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.25145/j.pasos.2013.11.008

Palabras clave:

monumentos, alegoria, Brasil, história

Resumen

A história do patrimônio cultural no Brasil tem suas origens antes mesmo da criação do Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), em 1936, data consagrada por muitos estudos existentes. O presente artigo visa historicizar o surgimento da noção do patrimônio desde o século XIX, da sua alegoria, até o fim do Império dos Bragança e para isso parte-se do pressuposto que ele é um conceito socialmente construído. Até esses anos não existiu um órgão que cuidasse pela proteção de edifícios religiosos, civis e militares que personificaram a história da dominação portuguesa, mas sim uma reflexão no seio da cidade letrada brasileira entorno à herança civilizatória luso-cristã mais visível, os monumentos históricos, sua alegoria na época, presente no resgate de memórias históricas, assim como em outros livros que contribuíram para a definição de uma identidade do Império, associada quase sempre à da cidade do Rio de Janeiro. Tal produção escrita não ficou alheia ao processo de consolidação das instituições imperiais, o que foi ainda reforçado pelos moldes do projeto escriturário da história do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, ecoando assim algumas das suas principais discussões. Isso nos faz afirmar que é possível pensar numa história do patrimônio nos oitocentos, antes mesmo da criação do SPHAN, e que o itinerário histórico das suas representações definiu o binômio histórico-artístico a ser preservado décadas depois e durante a maior parte do século XX.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Alencastro, Luiz Felipe de; Novais, Fernando 1997 História da Vida Privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, vol. 2.

Andrade, Rodrigo Melo Franco de 1952 “Bibliografia geral, publicações oficiais e privadas referentes ao patrimônio histórico e artístico do Brasil na fase anterior à descoberta do país e durante os períodos colonial e moderno”, En Brasil. Monumentos Históricos e arqueológicos, (129-165). México, Distrito Federal: Instituto Pan-Americano de Geografia e História.

Araújo, Monsenhor José de Souza Azevedo Pizarro e 1945-1948 [1820-1822]: Memórias históricas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro.

Babelon Jean-Pierre; e André Chastel 1980 “La notion de patrimoine”. Revue de l’art, (49).

Botelho, Tarcisio 2005 “Censos e construção nacional no Brasil Imperial”. Tempo Social. Revista de Sociologia da USP, São Paulo, 17(1): 321-341.

Brasil. Leis-Decretos. Regência 1831-1840 Subscripção para os dous monumentos que se tem de levantar na capital do império em memória do senhor D. Pedro I, e de seu ministro e conselheiro José Bonifácio de Andrada e Silva. Rio de Janeiro.

Camargo, Haroldo Leitão 2004 “Conceitos de patrimônio: técnica ou ideologia?” História e-história, Revista Eletrônica do Núcleo de Estudos Estratégicos/Arqueologia da UNICAMP. Disponível em www.historiaehistoria. com.br [Artigo publicado em CD e apresentado originalmente no VII Encontro de História de Mato Grosso do Sul: Patrimônio Histórico e Cultural: Identidade e Poder, Campo Grande, MS, 19-22 outubro de 2004.]

Certeau, Michel de 2000 “A história como mito”. En A escrita da história. (p. 54-65). Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária.

Choay, Françoise 2006 A alegoria do patrimônio. São Paulo: Ed. EDUSP.

Fundação Pro-Memória 1987 Rodrigo e o SPHAN. Coletânea de textos sobre patrimônio cultural. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura/Fundação Pró-Memória.

Garnier, Baptiste Louis 1877 “Nota à segunda edição”, In O Rio de Janeiro: sua historia, monumentos, homens notáveis, usos e curiosidades. Rio de Janeiro: B.L. Garnier/Livreiro-editor do Instituto Histórico Brazileiro. 2 Vol.

Gonçalves, Denise 2010 “Uma história da historiografia de arquitetura — texto e imagem na definição de uma disciplina”. Revista ArtCultura, Uberlândia, 12(20): 95-115, jan.-jun.

Guimarães, Manoel Salgado 1988 “Nação e civilização nos trópicos: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto da escrita de uma história nacional”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, (1): 5-27.

Knauss, Paulo 1999 Cidade Vaidosa: imagens urbanas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ed. Sette Letras. 2000 “O descobrimento do Brasil em escultura: imagens do civismo”, Projeto História – Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP. São Paulo, (20): 175-192. abril. 2009 “Tempo e Argumento”. Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, 1(1): 17-29. jan. / jun.

Lowenthal, David 1998 The past is a foreign country. Cambridge/ New York: Cambridge University Press. Tradução na Revista Projeto História. Trabalhos da Memória. São Paulo, PUC-SP – Programa de Pós-Graduação em História, (17). Novembro.

Macedo, Joaquim Manoel 1851 “Relatório do primeiro-secretário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Joaquim

Manoel de Macedo”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, 15(8): 480-512. Out./Dez. 1862-1863 Um passeio pela cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Typ. Imparcial de J. M. Nunes Garcia, 2. Vol.

Magalhães, Aline Montenegro. 2004 Colecionando relíquias. Um estudo sobre a Inspetoria de Monumentos Nacionais 1934 a 1937. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ): Rio de Janeiro.

Martins, Ismênia e Motta, Márcia (Orgs). 2010 1808: A Corte no Brasil. Niterói, Rio de Janeiro: Editora da Universidade Federal Fluminense.

Mauad, Ana Maria 1861 “Imagem e Auto Imagem do Segundo Reinado”. En Azevedo, Manoel Duarte Moreira de, Pequeno panorama ou descripção dos principais edificios da cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Typographia de F. de Paulo Brito, 5 vol. 1877 O Rio de Janeiro: sua história, monumentos, homens notáveis, uso e curiosidades. Rio de Janeiro: B. L. Garnier, 2 v.

Novais, Fernando Novais e Laura de Mello e Souza (orgs.). s.d. História da vida privada no Brasil –2. Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras.

Alegre, Manuel de Araújo Porto 1845 “Santa Cruz dos militares”. Ostensor Brasileiro: jornal literário pictorial, Rio de Janeiro, 1(1): 241-248. 1843 “Fragmentos de notas de viagem de hum artista brasileiro”. Revista Minerva Brasiliense. (2):71-73. 15 novembro. 1841 “Sobre a antiga escola de pintura fluminense”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, (3): 547- 556.

Pedruzzi, Tiago 2007 “O Rio de Janeiro sob a pena de Joaquim Manoel Macedo”, Nau Literária, Revista eletrônica de crítica e teoria de literaturas. Dossiê: a cidade na crônica. Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 3(1): 1-5.

Rama, Ángel 1985 A cidade das letras. São Paulo: Ed. Brasiliense.

Ramos, Paulo Oliveira 1993 Re-viver o passado: em torno da educação patrimonial e do ensino a distância. Lisboa: Universidade Aberta de Portugal. Dissertação de Mestrado. 2003 A Princesinha Branca e Esbelta e o Dragão Negro e Rotundo. Um Estudo de História do Patrimônio de Lisboa (1888-1950). Lisboa: Universidade Aberta. Tese de Doutorado.

Riegl, Aloïs 1987 [1903]. El culto moderno a los monumentos: caracteres y origen. Madrid: Ed. Visor.

Peixoto, Gustavo Rocha 2008 Prototombos: o conceito de patrimônio cultural no século XIX e início do XX. En Rodrigues de Carvalho, Claudia S., et.al. (org.) Um olhar contemporâneo sobre a preservação do patrimônio cultural material (p. 109-118). Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional.

S/A. 1898 Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, 61(2).

Santos, Afonso Carlos Marques dos 2007 “Memória, história e patrimônio cultural: notas para um debate”. En A invenção do Brasil: ensaios de história e cultura. (p. 81-106 ). Rio de Janeiro, Editora da UFRJ.

Schwarcz, Lillia Moritz 2008 O sol do Brasil: Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de D. João. São Paulo: Companhia das Letras.

Smith, Robert C. 1949 “Arte”. En Manual bibliográfico de estudos brasileiros. (p. 7-100). Rio de Janeiro: Gráfica Editora Sousa.

Soeiro, Renato de Azeved 1972 “Arquitetura”, In Atlas Cultural do Brasil, Rio de Janeiro, MEC-CFC-FENAME.

Publicado

2013-01-31

Cómo citar

Venegas Marcelo, H. (2013). A noção de patrimônio no Brasil Império. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 11(1), 135-146. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2013.11.008

Número

Sección

Artículos