Tradição, Aculturação e Autenticidade nos relatos de turistas sobre povos indígenas em meio virtual

  • Sandro Campos Neves Universidade Federal do Paraná
  • Fernanda Beraldo Maciel Leme Federal Rural University of Rio de Janeiro
  • Ricardo Storniolo santos Universidade Federal do Paraná
Palabras clave: Turismo en tierras indígenas, Comentarios online, Medio virtual, Aculturación, Tradición, Autenticidad

Resumen

O presente artigo visa analisar percepções de turistas das atividades de turismo em Terras Indígenas no Brasil a partir de suas publicações em meio virtual. Tendo em vista o fenômeno recente e crescente de catalogação e avaliação de atividades de turismo em Terras Indígenas, no Brasil, em aplicativos como Tripadvisor, busca-se, através da análise de publicações de turistas, realizar um panorama da porção visível da atividade em meio virtual. Através da análise de todas as terras indígenas brasileiras cadastradas no referido aplicativo, se busca investigar quais conceitos e categorias são colocados em jogo pelos atores sociais para se referir e analisar as Terras Indígenas brasileiras como atrativos turísticos. Também é objetivo importante analisar o modo como turistas se referem aos povos indígenas em suas publicações, bem como a construção de estereótipos e modos de pensar a respeito da indianidade. Acredita-se que tal análise aporta importantes contribuições para o contexto científico de pesquisa em turismo. Tanto por utilizar meios relativamente novos para a realização de pesquisa, quanto por abordar tema também de literatura relativamente pouco desenvolvida na área, isto é, turismo em Terras Indígenas. Foi utilizada como metodologia a análise por emparelhamento simples dos dados tabulados manualmente a respeito do discurso e percepções encontrados nas publicações de turistas. Se obteve como resultados preliminares que as percepções dos turistas se centram em basicamente duas visões sobre a cultura local que se organizam em torno de conceitos como autenticidade e aculturação como estruturantes da percepção. Ainda se pôde perceber que há um discurso de valorização das culturas indígenas através da categoria tradição. Outro dado relevante se refere ao fato de que os comentários refletem, de maneira geral, posições de extremidades, isto é, ou inteiramente positivas ou inteiramente negativas. Credita-se tal situação a um caráter polarizador atribuído de modo muito amplo pela sociedade brasileira ao ambiente virutal. Assim, ficam sempre destacados e são objeto de maior interesse e atenção às posições que se identificam como pertencentes a um determinado polo de uma discussão específica, conforme relata a literatura.  

Biografía del autor/a

Ricardo Storniolo santos, Universidade Federal do Paraná

Graduando em Turismo/ UFPR

Citas

Ascaniis, S., & Morasso, S. G. 2011. When tourists give their reasons on the web: The argumentative significance of tourism related UGC. In Information and Communication Technologies in Tourism 2011 pp. 125-137. Springer Vienna

Bastide, R. 1960. Les Religions Africaines au Brésil. Paris, PUF

Boorstin, D. J. 1992. The image: a guide to pseudo-events in America. New York: Vintage Books

Bourdieu, P. 2004. O poder simbólico. 7a edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil

Buultjens,J. Gale, D & White, N. 2010. Synergies between Australian indigenous tourism and ecotourism: Possibilities and problems for future development. Journal of Sustainable Tourism. Vol. 18, No. 4. p. 497–513

Castro, M.S.M. 2008. A Reserva Pataxó da Jaqueira: o passado e o presente das tradições. Dissertação de Mestrado. PPGAS/UNB, Brasília, 2008

Carneiro da Cunha, M. 1990. Imagens de Índios do Brasil: O século XVI. Estudos Avançados. V.4, n.10

Cohen, E. 1974. Who is a tourist? A conceptual clarification. Sociological Review, n. 22 p. 527-555

Cohen, E. 1988. Authenticity and commoditization in tourism. Annals of Tourism Research, 15 3): 1988, p. 371-386

Cole, S. 2007. Beyond Authenticity and Comodification Annals of Tourism Research, 34 4) p. 943–960

Corbari, S. D. 2015. O Turismo Envolvendo Comunidades Indígenas em Teses e Dissertações: Retrato das Relações e dos Impactos Socioculturais. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Turismo, UFPR.

Gândara, J. M. G. ; Brea, J. A. F, & Manosso, F. 2013. Calidad de la experiencia en los hoteles termales de Galicia, Espana: un analisis a traves de la reputacion on line. Estudios y Perspectivas en Turismo En Línea): 22, p. 492-525.

Gennep, A. V. [1909] 2011. Os ritos de passagem. 2. ed., Trad. Mariano Ferreira. Petrópolis: Vozes.

Graburn, N. 1977. Tourism: The sacred journey. In: Hosts and guests: The anthropology of tourism. V. Smith, ed. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Graburn, N. 1980. Teaching the anthropology of tourism. International Social Science Journal, 32(1. p: 56-68

Grunewald, R. A. 1999. Os ‘Índios do Descobrimento’: tradição e turismo. Tese de Doutorado. Rio de janeiro:UFRJ/ MN/PPGAS.

Hobsbawn, E.; Ragner, T. (Org.) 1984. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Herskovits, M. 1938. Acculturation: The Study of Cultural Contact. New York, J.J. Augustin Publisher.

Inversini, A.; Cantoni, L.; Buhalis, D. 2009. “Destination’s information competition and web reputation”. Information Technology & Tourism, v. 11, p. 221-234.

Islam F & Carlsen J. 2016. Indigenous communities, tourism development and extreme poverty alleviation in rural Bangladesh. Tourism Economics. V.22 n.3

Knudsen D; Rickly J & Vidon E 2016. The fantasy of authenticity: Touring with Lacan. Annals of Tourism Research. v. 58 p. 33-45

Krippendorf, J. 1989. Sociologia do Turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. Rio de. Janeiro: Civilização Brasileira.

Lac, F. 2006. O turismo e os Kaingang na Terra Indígena de Iraí/RS. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, UFPR, Curitiba.

Lau, R. 2010. Revisiting authenticity: A social realist approach. Annals of Tourism Research. 37(2): 478-498

Lee, H. A; Law, R, & Murphy, J. 2011. Helpful reviewers in TripAdvisor, an online travel community. Journal of Travel & Tourism Marketing, 28(7) p.675-688.

Leme, F.B.M & Trevisan, S.D.P. 2006. O resgate da identidade cultural: Meio para a sustentabilidade local. Interações. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, n 12. Campo Grande: UCDB.

Maccabe, S. 2009. Who is a Tourist? Conceptual and Theoretical Develpoments. In: TRIBE, J. Philosophical Issues in Tourism. Channel View Publications, Bristol.

Maccannel, D. 1976. The tourist: A new theory of the leisure class. University of California Press

Mauss, M. [1923-24] 1974. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Mauss, M.. Sociologia e Antropologia, v. II. São Paulo: Edusp.

Nash, D. 1977. Tourism as a form of imperialism. In: Hosts and guests: The anthropology of tourism. 2nd Ed. V. Smith, ed. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Neves, S.C. 2012. A apropriação indígena do turismo: os Pataxó de Coroa Vermelha e a expressão da tradição. Tese de Doutorado. Salvador: UFBA/PPGA.

Nuñez, T. 1963. Tourism, tradition, and acculturation: Weekendismo in a Mexican village. Ethnology, 2.3, p. 347–352

Oliveira, V.M. 2006. Turismo, Território e Modernidade: um estudo da população indígena Krahô, Estado do Tocantins Amazônia Legal Brasileira. Tese de Doutoramento, Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2006

Olsen, K. 2002. Authenticity as a concept in tourism research: The social organization of the experience of authenticity. Tourist Studies. v. 2

Pereiro, X. P. 2012 El Turismo Indígena Guna (Panamá): Imaginarios y regímenes de mentira de las guías turísticas internacionales. Estudios y Perspectivas em Turismo v.21 p.945-962

Ruhanen, L; Whitford, M & McLennan, C 2015. Indigenous tourism in Australia: Time for a reality check. Tourism Management V.48

Salazar, N. 2012. Tourism Imaginaries: A Conceptual Approach Annals of Tourism Research, v.39 p.863-882

SMITH, V. L. (Org.) 1977. Hosts and Guests. The Anthropology of Tourism. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

Steiner, C. J. & Reisinger, Y. 2006. Reconceptualizing Object Authenticity. Annals of Tourism Research, v. 33, n. 1, p. 65-86.

Toren, C. 1988. Making the present, revealing the past: The mutability and continuity of tradition as process. In: Man, New Series, v.23 n.4 Royal Anthropologic Institute of Great Britain and Ireland, pp.696-717.

Turner, V. 1974. O Processo Ritual. Petrópolis: Vozes, 1974

Viveiros de Castro, E. 1999. Etnologia brasileira. In: MICELI, S. Org.. O que ler na ciência social brasileira 1970-1995. São Paulo: Sumaré/ANPOCS v. 1, Antropologia)

Viveiros de Castro, E. 2002. O Nativo Relativo. Mana, v. 8, n. 1, Rio de Janeiro, Abr.

Publicado
2019-10-16
Cómo citar
Neves, S., Leme, F., & santos, R. (2019). Tradição, Aculturação e Autenticidade nos relatos de turistas sobre povos indígenas em meio virtual. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 17(5), 963-974. Recuperado a partir de //ojsull.webs.ull.es/index.php/Revista/article/view/1874