Interpretación del Patrimonio Natural para el Turismo: el caso del Parque de la Ilha da Usina, Ciudad de Salto, São Paulo, Brasil

  • Sidnei Raimundo
  • Antônio Carlos Sarti EACH-USP
  • Reinaldo Tadeu Pacheco EACH-USP
Palabras clave: Parque Natural Municipal da Ilha da Usina-Salto (SP)., Conservação da Natureza, Patrimônio Natural, Interpretação Ambiental, Uso Público, Parque Natural Municipal da Ilha da Usina-Salto, Brasil

Resumen

La visión prístina de la naturaleza por parte de la sociedad occidental fue la principal responsable de la creación de las áreas protegidas. Las actividades recreativas en estas áreas refuerzan este sentido y no consideran posibilidades más amplias de relación con la sociedad y la naturaleza. Las premisas son el mantenimiento del patrimonio con un enfoque conservacionista. Este documento revisa esta visión y discute la recreación al aire libre en áreas protegidas, siguiendo los principios de la Interpretación Ambiental. Presentamos un guión de interpretación ambiental en un sendero del Parque Natural Ilha da Usina, en la ciudad de Salto, Brasil. Se realizó un inventario de sitios e información sobre los elementos relacionales a lo largo del sendero. Los resultados indican la importancia de los principios de la Interpretación Ambiental en la organización de las áreas de recreación y la necesidad de su monitoreo constante.

Citas

Alves, C. J., S; Laranja, D. H. R. 2014.Raimundo, S. Lazer e Turismo e a prática do manejo e monitoramento da visitação pública como estratégia de gestão dos recursos no Parque Estadual da Cantareira (SP). Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 7, p. 762-778.

Bauman, Zygmunt 2003. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual, tradução Plínio Dentzien. — Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Bauman, Zygmunt 2005. The Big Smoke: Fifty years after the 1952 London Smog. Centre for History in Public Health, London School of Hygiene & Tropical Medicine.

Botelho, Eloisa; Maciel, Gláucio; Gonçalves, Rafael; Irving, Marta 2015. Reflexões sobre educação ambiental e turismo nos parques nacionais brasileiros. In: Marta Irving; Camila Rodrigues; Andrea Rabinovici; Helena Costa (orgs.). Turismo, áreas protegidas e inclusão social: diálogos entre saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Folio Digital, pp. 177-203.

Boyd, Stephen 2004. Parques Naturais: vida selvagem e cultura. In: Lew, A.; Hall, C. M.; Williams, A. M. Compêndio de Turismo, Lisboa: Instituto Piaget, pp. 527-540, (coleção Ciência e Técnica).

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente 2006. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Diretrizes para Visitação em Unidades de Conservação. Diretoria de Áreas Protegidas. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 61p. (Áreas Protegidas do Brasil, 3)

Bussolotti, J. M.; Guimarães, Solange; Robim, Maria de J. 2009. Por uma reflexão epistemológica do conhecimento científico na seleção de áreas protegidas. Olam: Ciência & Tecnologia, v. 8, 2008, p. 88-97.

Castriota, Leonardo. Patrimônio cultural: conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume, Belo Horizonte: IEDS, 379p.

Corbin, Alain. 1989. O território do vazio: a praia e o imaginário ocidental, tradução Paulo Neves, São Paulo: Cia das Letras, 385p.

Diegues, Antônio Carlos S. 1993. Populações tradicionais em unidades de conservação: o mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Nupaub-USP, série documentos de pesquisa, nº 1, 66p.

Diegues, Antônio Carlos S. 1998. As áreas naturais protegidas, o turismo e as populações tradicionais. In Serrano, C.; Bruhns, H. (orgs.). Viagens à natureza: turismo, cultura e ambiente. Campinas: Papirus, pp. 85-102.

Diegues, Antônio Carlos S. 2000. Etnoconservação da natureza: enfoques alternativos. In: Diegues, A. C. (org.). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Ed. Hucitec, 290p

Dorst, Jean 1973. Antes que a natureza morra: por uma ecologia política. São Paulo: Edgard Blucher, 394p.

Fernandez, Fernando 2000. O poema imperfeito: crônicas de biologia, conservação da natureza e seus heróis. Curitiba: Ed. da UFPR, 260p.

Guatura, Inah Simonetti. 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC – Lei nº 9.985, de 18/07/2000. In: Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, II, 2000, Campo Grande, Anais: Vol. I Conferências e Palestras. Campo Grande: Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, p. 26-35.

Ham, S. H. 1992. Environmental Interpretation: A Practical Guide for People with Big Ideas and Small Budgets. Colorado, USA: North America Press, 473p.

Harari, Yuval N. 2017. Sapiens – uma breve história da humanidade. Trad. Janaina Marcoantonio, Porto Alegre, RS: L&PM, 464p.

Harvey, David 2014. Cidades Rebeldes: do direito a cidade a revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes.

Hauff, Shirley N. 2004. Relações entre Comunidades Rurais Locais e Administrações de Parques no Brasil: Subsídios ao Estabelecimento das Zonas de Amortecimento. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal, 184p + anexos.

Hobsbawm, E. J. 1995. Era dos Extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Cia das Letras.

Jones, Geoffrey 2005. Multinationals and Global Capitalism: From the Nineteenth to the Twenty First Century. London: Oxford Scholarship Online: April 2005, 352p

Kronka, F. J. N. et al. 2005. Inventário florestal da vegetação natural do Estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente/Instituto Florestal, 200p.

Lana, J. M.; Souza, A. L.; Meira Neto, J. A.; Soares, V.; Fernandes Filho, E. I. 2010. Análise dos estágios de sucessão de áreas de mata atlântica sob a influência de plantações florestais, Vale do Rio Doce, Minas Gerais, Brasil. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.34, n.4, p.733-743.

Mafra, G. A. 2010. Sinalização interpretativa como ferramenta de educação patrimonial em parques urbanos: o caso do Parque da Serra do Curral de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.3, n.2, pp.315-330.

McCormick, John. 1992. Rumo ao Paraíso: A História do Movimento Ambientalista. Rio de Janeiro: Relume Dumará, , 214p. Meyer-Arendt, Klaus. O turismo e o ambiente natural. In: Lew, A.; Hall, C. M.; Williams, A. M. Compêndio de Turismo, Lisboa: Instituto Piaget, pp. 475-488, (coleção Ciência e Técnica). Moreira, Jasmine C. 2004. Geoturismo e interpretação ambiental. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014. 157 p..

Neiman, Z. 2007. A educação ambiental através do contato com a natureza. Tese (Doutorado em psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 239 f.

Pacheco, R.; Raimundo, S. 2015. Parques urbanos e o campo dos estudos do lazer: propostas para uma agenda de pesquisa. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, v. 1, p. 43-66. Pelicioni, M. C. F.; Toledo, R. F.

Educação para o turismo: turistas e comunidade. In: Phillipi Junior, A.; Ruschmann, D.V.M. (Org). Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo. Barueri, São Paulo: Manole, p. 301-312.

Pellin, A.; Scheffler, S. M.; Fernandes, H. M. 2010. Planejamento e implantação de trilha interpretativa autoguiada na RPPN Fazenda da Barra (Bonito, Mato Grosso do Sul, Brasil). Revista Nordestina de Ecoturismo, Aracaju, v.3, n.1, maio, 2010

Posey, D.A. (ed.) 1999. Cultural and spiritual values of biodiversity. Nairobi: UNEP and Intermediate Technology Publications.

Pretty, J. 2002 Agri -culture: Reconnecting people, land and nature. London: Earthscan (14) The Intersections of Biological Diversity and Cultural Diversity: Towards Integration. 2002, disponível em: https://www.researchgate.net/publication/41025362_The_Intersections_of_Biologi- cal_Diversity_and_Cultural_Diversity_Towards_Integration, acesso em 18/04/2018.

Raimundo, S. abr./jun. 2006. A paisagem natural remanescente na Região Metropolitana De São Paulo. São Paulo em Perspectiva, v. 20, n. 2, p. 19-31.

Robim, Maria de Jesus. 1999. Análise das características do uso recreativo do Parque Estadual da Ilha Anchieta: uma contribuição ao manejo. (Tese de doutorado). Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos (SP), 161p.

Sallas, Ana Luísa F. Ciência do homem e sentimento da natureza: viajantes alemães no Brasil do Século XIX, Curitiba: Ed. da UFPR, 2013, 334p.

Sansolo, D.; Raimundo, S.; Bussoloti, J; Simões, E. 2016. Relatório Final do Projeto: o contexto territorial e ambiental no programa de uso público do Parque Estadual Serra Do Mar (Processo FAPESP: 2013/20035-3), 116p. (rel. não publicado).

Santos, Rosely Ferreira dos. Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos. São Paulo (Estado).

Santos, Rosely Ferreira dos 2004. Unidades de Conservação da Natureza. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente, Fundação para a Conservação e Produção Florestal do Estado de São Paulo, 2009.

Santos, Rosely Ferreira dos 2009. Floresta urbana: propostas de gestão e subsídios para políticas públicas em Rio Claro (SP). Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio

Claro. Rio Claro: [s.n.], 178 p.

Takahashi, Leide. out/2004. Uso Público em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Ano 02, nº 02.

Terborgh, John & van Schaik, Carel. 2002. Por que o mundo necessita de parques- In: Tornando os parques eficientes: Barel Spergel; John Terborgh... [et al] (orgs.). Curitiba: Ed. UFPR / Fundação o Boticário, pp. 25-51.

Thomas, Keith. 1988. Homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação as plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 454 p.

Tilden, F. 2007. Interpreting our heritage. 40 ed. Carolina do Norte, USA: The University of North Carolina Press, (first edition, 1957) UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization). Basic Texts. UNESCO, Paris 2018. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0026/002617/261751e.pdf#page=6

Wearing, S.; Neil, J. Ecotourism: Impacts, Potential and Possibilities. Butterworth Heinemann, Oxford and Melbourne, 2nd edition, 2009 (first edition, 1999), 256p.

Publicado
2019-01-07
Cómo citar
Raimundo, S., Sarti, A., & Pacheco, R. (2019). Interpretación del Patrimonio Natural para el Turismo: el caso del Parque de la Ilha da Usina, Ciudad de Salto, São Paulo, Brasil. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 17(4), 795-810. Recuperado a partir de //ojsull.webs.ull.es/index.php/Revista/article/view/1715
Sección
Artículos