Geografia urbana setecentista e turismo: as praças de Mariana – Brasil sob a perspectiva experiencial

Lauro Almeida de Moraes, Saulo Rondinelli Xavier da Silva, José Manoel Gândara

Resumen


Este artigo tem como objetivo analisar praças da cidade histórica de Mariana (Minas Gerais – Brasil) enquanto espaços de experiências turísticas. A pesquisa baseou-se, conceitualmente, em discussões sobre espaço público, tipos e funções de praças, experiência turística e traçado urbano de Mariana. Como premissa metodológica, trata-se de um estudo exploratório e descritivo, de cunho qualitativo, que utiliza revisão crítica de literatura e netnografia, a partir de imagens fotográficas e avaliações das praças da Sé, Gomes Freire e Minas
Gerais compartilhadas no website TripAdvisor1. Desta forma, a pesquisa avalia percepções e representações de turistas acerca dos espaços sob investigação, cotejando-as com o levantamento histórico-geográfico sobre o urbanismo setecentista de Mariana. Os resultados indicam que as praças estudadas são representativas para a história do Brasil, particularmente de Minas Gerais, e para a realização de práticas turísticas memoráveis. A conservação e gestão eficiente destes espaços são, portanto, fundamentais para a memória autóctone e a
sustentabilidade da atividade turística.

Palavras-chave: Espaço público; Experiência turística; Urbanismo setecentista; Reputação online; Mariana.

18th century urban geography and tourism: the squares of Mariana - Brazil from an experiential perspective

Abstract: This article aims at analyzing public space such as the squares of the historical city of Mariana (Minas Gerais - Brazil) as places for experiences in tourism. The research is conceptually based on discussions of public space, types and functions of squares, tourist experiences and the urban layout of Mariana. As a methodological premise, it is an exploratory, descriptive and qualitative study, which uses a critical review of the literature, images and evaluations shared on the TripAdvisor website about the following squares: Praça da Sé, Gomes Freire and Minas Gerais. Thus, the research evaluates tourist perceptions and representations of these spaces, comparing them with the historical-geographic survey of Mariana’s 18th century town development. The results indicate that the studied squares are representative of the history of Brazil, particularly of Minas Gerais, and apt for creating memorable touristic practices. Therefore, the conservation and efficient management of these spaces are fundamental for the autochthonous memory and the sustainability of tourism.

Keywords: Public space, Tourist experience, 18th century urbanism; Online reputation; Mariana.


Palabras clave


espaço público, experiência turística, praça, centro histórico, Mariana

Texto completo:

PDF

Referencias


Alves, S. F.; Figueiredo, M. A. & Paiva, P. D. (2010). História da Praça Gomes Freire: O Jardim de Mariana. Lavras: UFLA.

Alves, S. F., Paiva; P. D. & Garcia, C. S. (2016). Largo do Rossio to a garden: the genesis of the Gomes Freire's square in Mariana MG. Ornamental Horticulture - Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, 22(3), pp. 350-360.

Amaral, A., Natal, G., & Viana, L. (2008). Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação digital. Sessões do Imaginário, 13, pp. 34-40.

Antunes, Á. d. & Silveira, M. A. (2015). Casa de Câmara e Cadeia: espaços e símbolos do poder em Mariana (século XVIII). In: C. A. Pereira et al. (Orgs.), O espaço e os construtores de Mariana (século XVIII) (pp. 15-36). Outro Preto: Ed. UFOP.

Barretto, M. (2002). Espaço Público: usos e abusos. In: Yázigi, E., Carlos, A. F. A., Cruz, R. C. A. Turismo: espaço, paisagem e cultura. 3 ed. São Paulo: Hucitec.

Bastos, R. A. (2015). A fábrica artístico-construtiva em Minas Gerais no século XVIII: preceitos, agentes e procedimentos dedicados ao decoro das povoações. In: C. A. Pereira et al. (Orgs.), O espaço e os construtores de Mariana (século XVIII) (pp. 61-94). Ouro Preto: Ed. UFOP.

Câmara Municipal de Mariana. (2017). Histórico. Acesso em 18 de ago de 2017, disponível em Câmara de Mariana: http://www.camarademariana.mg.gov.br/mariana

Carvalho, R. A. & Vieira, L. C. (2007). Grupo escolar de Mariana: política, educação e cotidiano escolar. Anais do XXIV Simpósio Nacional de História – História e multidisciplinaridade: territórios e deslocamentos. 24, pp. 1-8. São Leopoldo: Unisinos.

Climate-data.org. (2017). Clima: Mariana. (Oedheim: AM Online Projects) Acesso em 15 de ago de 2017, disponível em Climate-data.org: https://pt.climate-data.org/location/25091/

De Angelis, B. L. (2000). A praça no contexto das cidades: o caso de Maringá-PR. Tese (Doutorado em Geografia). FFLCH. São Paulo: USP.

De Angelis, B. L.; De Angelis Neto, G.; Barros, G. D. A. & Barros, R. D. A. (2005). Praças: história, usos e funções. Fundamentum. (Vol. 15). Maringá: EDUEM.

Estadão. (2017, 5 nov.). Tragédia de Mariana ainda afeta economia da cidade. Época Negócios. Disponível em: http://epocanegocios.globo.com/Empresa/noticia/2017/11/epoca-negocios-tragedia-de-mariana-ainda-afeta-economia-da-cidade.html. Acesso em: 1 dez. 2017.

Farinós Dasí, J. (2008). Gobernanza territorial para el desarrollo sostenible: estado de la cuestión y agenda. Boletín de la Asociación de Geógrafos Españoles, 46, pp. 11-32.

Ferrara, L. A. (1988). Ver a cidade: cidade, imagem, leitura. São Paulo: Nobel.

Ferreira, L. D. & Ferreira, L. R. (2009). Festas religiosas: uma manifestação cultural de Mariana. Ouro Preto: ETFOP.

Fonseca, C. D. (1995). Mariana: gênese e transformação de uma paisagem cultural. Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Geociências. Belo Horizonte: UFMG.

______ (Jan./June 2012.). Urbs e civitas: A Formação dos espaços e territórios urbanos nas Minas setecentistas. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 20(1), pp. 77-108.

Gândara, J. M. G.; Mendes, J.; Moital, M.; Ribeiro, F. N. S. & Goulart, L. A. (2012). Planificación estratégica de un circuito turístico hitórico-cultural experiencial: Itabuna-Bahia, Brasil. Estudios y Perspectivas en Turismo. Vol. 21. Buenos Aires. pp. 225-248.

Gomes, E. C. Percepção do ambiente construído: a praça. Tese (Doutorado em Arquitetura). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. São Paulo: USP, 1997.

Gonçalves, M. T., Sousa & Ferro, M. J. (2012). A representação da sociedade e do poder real através dos inventários dos bens móveis e dos lançamentos de despesas da Câmara de Mariana, século XVIII. In: C. M. Chaves, M. d. Pires, & M. S. Maria, Casa de Vereança de Mariana: 300 anos de História da Câmara Municipal (pp. 89-105). Ouro Preto: Edufop/PPGHIS.

Horodyski, G. S.; Manosso, F. C. & Gândara, J. M. G. (2014). A pesquisa narrativa na investigação das experiências turísticas relacionadas ao consumo de souvenirs: uma abordagem fenomenológica. Turismo em Análise. Vol. 25, n. 1. São Paulo:USP.

Ibge, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais (2017). Estimativas da população residente com data de referência 1º de julho de 2017. Acesso em 15 ago. 2017. Disponível em IBGE Cidades: http://cod2.ibge.gov.br/2VHOK.

Kozinets, R. V. (1998). On Netnography: Initial Reflections on Consumer Research Investigations of Cyberculture. NA - Advances in Consumer Research, 25, pp. 366-371.

______. (2002). The field behind the screen: using netnography for marketing research in online communities. Journal of Marketing Research, 39, pp. 61-72.

Luccock, J. (1942 ). Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil (1820). São Paulo: Livraria Martins.

Luque Gil, A. M.; Zayas Fernández, B. & Caro Herrero, J. L. (2015). Los Destinos Turísticos Inteligentes en el marco de la Inteligencia Territorial: conflictos y oportunidades. Investigaciones Turísticas, 10, pp. 1-25. doi:10.14198/INTURI2015.10.01

Malta, V. (1999). Se essa rua fosse minha. Mariana: [s.n.].

Marton, M., & Pereira, D. (2007). Catálogo de Mariana. Mariana: Secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

Matas Colom, J.; Vergara Necochea, A. & Balbonti?n Vicun?a, P. (1983). Las plazas de Santiago. Santiago: Ediciones Universidad Católica de Chile.

Minas Gerais, Constituição (1989). Constituição do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Assembléia Legislativa.

Miossec, J.-M. (1977). L’image touristique comme introduction à la géographie du tourisme. Annales de Géographie, 86(473), pp. 55-70.

Pearce, D. G. (2014). Toward an integrative conceptual framework of destinations. Journal of Travel Research, 53(2), pp. 141-153.

Pine II, J. B. & Gilmore, J. H. (1999). The Experience Economy: work is theatre & every business a stage. Massachusetts: Ed. Harvard Business School Press.

Pulido, M. C. & Pulido, J. I. (2014). ¿Existe gobernanza en la actual gestión de los destinos turísticos? Estudio de casos. Pasos: Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 12(4), 685-705

Prefeitura de Mariana. (2017). Histórico. Acesso em 18 de ago de 2017, disponível em Prefeitura de Mariana: http://www.mariana.mg.gov.br/historico

Richards, G. (2015). The new geographies of tourism: Space, place and locality. In: D. Dredge and S. Gyimóthy (eds.) Tourism and collaborative consumption: perspectives, politics, policies and prospects, Dordrecht: Springer.

Rocha, P. J., & Montardo, S. P. (2005). Netnografia: incursões metodológicas na cibercultura. E-Compós, 4, pp. 1-22.

Rodrigues, L. (2016, 4 nov.). Mariana vive desafio de diversificar receitas, mas retorno da Samarco é plano A. Agência Brasil. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-11/mariana-vive-desafio-de-diversificar-receitas-mas-retorno-da-samarco-e-plano. Acesso em: 5 nov. 2017.

______ (2017, 1 set.). Municípios querem ser ressarcidos por queda de receita após tragédia de Mariana. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-09/municipios-querem-ser-ressarcidos-por-queda-de-receita-apos-tragedia-de. Acesso em: 1 dez. 2017.

Saint-Hilaire, A. (1975). Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte, São Paulo: Itatiaia, USP.

Segittur. Informe destinos turísticos inteligentes: construyendo el futuro. Madri: Segittur, 2015.

Serpa, A.(2011). O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto.

Silva, S. R. X. (2015). A praça como espaço de experiências turísticas. In: XII Seminário ANPTUR, 2015, Natal. Anais do Seminário da ANPTUR. São Paulo: ANPTUR, p. 1-13.

______. S. R. X. (2016). A praça do Japão (Curitiba-PR): lugar, sentimento e vida social. In: Santos, S. R.; Santos, P. C. (Orgs.). Gestão urbana e desenvolvimento local e regional: estudos de caso no Brasil. São Luís: EDUFMA, p. 143-171.

Tedeschi, D. M. (2015). Os cahafarizes de Mariana: o abastecimento de água no século XVIII. In: C. A. Pereira et al. (Orgs.), O espaço e os construtores de Mariana (século XVIII) (pp. 121-136). Ouro Preto: Ed. UFOP.

Turpo, O. W. (2008). La netnografía: método de investigación en Internet. Educar, 42, pp. 81-93.

Vasconcelos, D. d. (1999). História Antiga de Minas Gerais (4. ed.). Belo Horizonte: Itatiaia.

Velasco Gonzáles, M. (2011). La política turística: una arena de acción autónoma. Cuadernos de Turismo, 27, 953-969.

______. (2014) Gobernanza turística: ¿Políticas públicas innovadoras o retórica banal? Caderno Virtual de Turismo. Edição especial: Hospitalidade e políticas públicas em turismo, 14(1), pp. 9-22.

Vera Rebollo, J. F. & Ivars Baidal, J. A. (2004) Indicadores de sostenibilidad para destinos maduros: balances y propuestas de aplicación. In: Conferencia de la Organización Mundial de Turismo "Creando Estructuras para la Investigación y la Educación en Política Turística y Gestión de Destinos", Madrid, 2-3 jun. 2004. Disponível em: http://hdl.handle.net/10045/20481. Acesso em: 8 set. 2016.




Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

Creative Commons License
PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural
by PASOS, RTPC is licensed under a Creative Commons Reconocimiento-No comercial-Sin obras derivadas 3.0;a License. Permissions beyond the scope of this license may be available at info@pasosonline.org