Geografia urbana setecentista e turismo: as praças de Mariana – Brasil sob a perspectiva experiencial

  • Lauro Almeida de Moraes
  • Saulo Rondinelli Xavier da Silva
  • José Manoel Gândara
Palabras clave: Mariana, Espaço público, Experiência turística, Urbanismo setecentista, Reputação online

Resumen

Este artigo tem como objetivo analisar praças da cidade histórica de Mariana (Minas Gerais – Brasil) enquanto espaços de experiências turísticas. A pesquisa baseou-se, conceitualmente, em discussões sobre espaço público, tipos e funções de praças, experiência turística e traçado urbano de Mariana. Como premissa metodológica, trata-se de um estudo exploratório e descritivo, de cunho qualitativo, que utiliza revisão crítica de literatura e netnografia, a partir de imagens fotográficas e avaliações das praças da Sé, Gomes Freire e Minas
Gerais compartilhadas no website TripAdvisor1. Desta forma, a pesquisa avalia percepções e representações de turistas acerca dos espaços sob investigação, cotejando-as com o levantamento histórico-geográfico sobre o urbanismo setecentista de Mariana. Os resultados indicam que as praças estudadas são representativas para a história do Brasil, particularmente de Minas Gerais, e para a realização de práticas turísticas memoráveis. A conservação e gestão eficiente destes espaços são, portanto, fundamentais para a memória autóctone e a
sustentabilidade da atividade turística.

 

Citas

Alves, S. F., Paiva; P. D. & Garcia, C. S. (2016). Largo do Rossio to a garden: the genesis of the Gomes Freire's square in Mariana MG. Ornamental Horticulture - Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, 22(3), pp. 350-360.

Kozinets, R. V. (1998). On Netnography: Initial Reflections on Consumer Research Investigations of Cyberculture. NA - Advances in Consumer Research, 25, pp. 366-371.

______. (2002). The field behind the screen: using netnography for marketing research in online communities. Journal of Marketing Research, 39, pp. 61-72.

Malta, V. (1999). Se essa rua fosse minha. Mariana: [s.n.].

Pearce, D. G. (2014). Toward an integrative conceptual framework of destinations. Journal of Travel Research, 53(2), pp. 141-153.

Pine II, J. B. & Gilmore, J. H. (1999). The Experience Economy: work is theatre & every business a stage. Massachusetts: Ed. Harvard Business School Press.

Publicado
2018-10-19
Cómo citar
Moraes, L., Silva, S., & Gândara, J. (2018). Geografia urbana setecentista e turismo: as praças de Mariana – Brasil sob a perspectiva experiencial. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 16(4), 971-988. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2018.16.068
Sección
Artículos