“O Índio não gosta de ficar cativo”: Trabalho e Tradição nas Atividades Econômicas dos Pataxó da Aldeia de Coroa Vermelha

  • Sandro Campos Neves Universidade Federal de Juiz de Fora
Palabras clave: Coroa Vermelha, Indios, Pataxó, Actividades económicas, Representaciones

Resumen

O presente artigo trata das representações dos índios Pataxó da aldeia de Coroa Vermelha, município de Santa Cruz Cabrália, no estado da Bahia/Brasil a respeito do trabalho e de suas atividades econômicas. Apresenta reflexão a respeito dos entendimentos nativos dessas atividades, terminando por referir-se à compreensão construída pelos índios sobre o trabalho e sua relação com a tradição. O artigo é resultado da pesquisa de doutoramento, com trabalho de campo realizado entre 2008 e 2011, que versou sobre a apropriação do turismo pelos índios como atividade econômica principal e as transformações realizadas na forma de praticar a atividade turística, no processo que descrevo como de indianização do turismo. A etnografia realizada pretende investigar as configurações da relação entre economia e tradição contextualizadas por uma visão interna, isto é, descrita nos termos apresentados pelos índios, da categoria tradição.

Biografía del autor/a

Sandro Campos Neves, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutor em Antropologia PPGA/UFBA

Mestre em Cultura e Turismo UESC/UFBA

Bacharel em Turismo UFJF

Citas

Bussab, W.O.; Morettin, P.A. 1987. “Estatística Básica.” 4ª Edição. Atual Editora. São Paulo, SP. 1987.

Carvalho, M. R. G.1977. “Os Pataxó de Barra Velha: seu subsistema econômico”. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, UFBA, Salvador.

Carvalho, M. R. G. & Sampaio, J. A. L. 1992. “Parecer sobre o Estatuto Histórico-Legal das Áreas Indígenas Pataxó do Extremo Sul da Bahia.” Salvador, 20 p.

Chayanov, A V. – 1966. “The Theory of Peasant Economy”. The American Economic Association, Homewood-Ilinois.

Kohler, F. S/D. “Uma Gênese Pataxó: o massacre de 51”. Sem indicação de referência da publicação.

Miranda, S.S. 2006. “A construção da identidade Pataxó: práticas e significados da experiência cotidiana entre crianças de Coroa Vermelha.” Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Miranda, S.S. 2010. “Aprendendo a Ser Pataxó: um olhar etnográfico sobre as habilidades produtivas das crianças de Coroa Vermelha, Bahia.” 244f. 2009. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação em Antropologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Neves, S.C. 2011. “Produção, Circulação e Significados do Artesanato Pataxó no Contexto Turístico da aldeia de Coroa Vermelha, Santa Cruz Cabrália-BA.” Pasos. v.9(3) Special Issue p. 45-58.

Sahlins, M. 1978. “Stone Age Economics.” Tavistock Publications, London.

Sampaio, J. A. L. 1996. “”Sob o signo da cruz.” Relatório circunstanciado de identificação e delimitação da terra indígena Pataxó de Coroa Vermelha.” Salvador.

Toren, C. 1988. “Making the present, revealing the past: The mutability and continuity of tradition as process.” In: Man, New Series, v.23 n.4 Royal Anthropologic Institute of Great Britain and Ireland, pp.696-717.

Woortmann, K. 1967. “Grupo Doméstico e Parentesco num Vale da Amazônia.” Revista do Museu Paulista, Nova Série, Vol. XVII: 209 -377.

Publicado
2014-07-07
Cómo citar
Neves, S. (2014). “O Índio não gosta de ficar cativo”: Trabalho e Tradição nas Atividades Econômicas dos Pataxó da Aldeia de Coroa Vermelha. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 13(1), 131-143. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2015.13.009
Sección
Artículos