Percepções da comunidade local em cidades Patrimônio da Humanidade: Diamantina, Minas Gerais, Brasil

Autores/as

  • Taysa Kennia Godinho
  • Karina Toledo Solh

DOI:

https://doi.org/10.25145/j.pasos.2018.16.014

Palabras clave:

turismo, comunidade, Patrimônio Cultural, Patrimônio da Humanidade, Desenvolvimento

Resumen

O artigo discute as relações entre patrimônio e o desenvolvimento turístico em cidades declaradas como Patrimônio Mundial a partir da percepção da comunidade local. Este estudo analisou a trajetória de Diamantina, cidade localizada no Estado de Minas Gerais, Brasil, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN em 1938, e que, em 1999 recebeu o título de Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO. A fim de verificar as relações e o envolvimento da população local com o patrimônio e com o turismo, elaborou-se um formulário abordando questões sobre identidade, coletividade e as relações entre morador, patrimônio e turismo. Como resultados, observaram-se divergências entre o que a comunidade considera como patrimônio a ser legado e o que foi reconhecido por organismos nacionais e internacionais além da necessidade de um profundo trabalho de reconhecimento cultural entre moradores.

 

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Alves, Erika de Paula. 2011. Por uma caracterização do turismo em Diamantina: estratégias possíveis de interpretação do patrimônio. Dissertação (Mestrado em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável) – UFMG, BH.

Borges, M.R., Marujo, N. & Serra, J. 2013. Turismo cultural em cidades património mundial: a importância das fontes de informação para visitar a cidade de Évora. Tourism and Hospitality International Journal, 1, 137-156.

Costa, Everaldo Batista da. 2011. Totalidade urbana e totalidade-mundo: as cidades coloniais barrocas face a patrimonialização global. Tese (Doutorado) – Curso de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 445 f.

Costa, Everaldo Batista da. 2009. A dialética da construção destrutiva na consagração do patrimônio mundial. São Paulo: Humanitas, p. 37-57.

Garcia, Antônio Carlos. 2010. “Tópicos de Estatística Básica”. 1 ed. São Paulo.

Gonçalves, Cristiane Souza. 2010. Experimentações em Diamantina, um estudo sobre a atuação do SPHAN no conjunto urbano tombado 1938-1967. Tese (Doutorado – Área de Concentração: História e Fundamentos da arquitetura e do Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Instituto Terrazul. 2009. “Diamantina comemora dez anos de título de Patrimônio Cultural da Humanidade”. Disponível em: <http://www.terrazul.org.br/Noticias/interna.php?id=94>. Acesso em: 17 fev. 2016.

Jimura, Takamitsu. 2011. “The impact of world heritage site designation on local communities - A case study of Ogimachi, Shirakawa–mura, Japan”. Tourism Management. 32 v. n. 2, p. 288-296.

Joko-Veltman, Carlos Fernando. 2004. Brasília, patrimônio da humanidade: uma interpretação para o turismo cultural. Especialização em Gestão e Marketing do Turismo. Universidade de Brasília, Brasília, DF, 123 f.

Mattar, F.N. 2001. Pesquisa de Marketing. Edição Compacta. São Paulo, SP: Atlas.

Mendonça, Marcelo Pereira de et al. 2006. “Evolução do mercado de trabalho no turismo em Diamantina: uma contribuição para reflexões de estratégias voltadas para o desenvolvimento local”. Anais... In: XII Seminário sobre a Economia Mineira. Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais. Diamantina, MG.

Nascimento, Elaine Cordeiro do. 2009. “Vale do Jequitinhonha: Entre a carência social e a riqueza cultural. Revista de Artes e Humanidades, nº 04, Oct.

Omar, Shida Irwana et al. 2013. “George Town, Penang as a World Heritage Site: The Stakeholders’ Perceptions”. Procedia - Social And Behavioral Sciences, p. 88-96, 91 p.

Prefeitura Municipal de Diamantina. 2009. “PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE DIAMANTINA/MG”. Diamantina, MG: Prefeitura de Diamantina.

Prefeitura Municipal de Diamantina. 2012. “Relatório de Gestão Municipal 2009-2012”. Diamantina, MG.

Prefeitura Municipal de Diamantina 2015. Avaliação de Bairros. Diamantina, MG: Secretária de Saúde.

Prefeitura Municipal de Diamantina. 2016. “Alguns monumentos tombados pelo IPHAN e a Vesperata”. Disponível em :. Acesso em 07 Fev de 2016.

Ribeiro, José; Vareiro, Laurentina; Remoaldo, Paula. 2012. The Host-Tourist Interaction in a World Heritage Site: The Case of Guimarães. China-USA Business Review, v. 11, n. 3, p. 283-297.

Ribeiro, W.C. 2005. “Patrimônio da Humanidade, Cultura e Lugar”. Revista Diálogos, 9, n.º1, p. 111-124. [online]. Disponível: . Acesso em 07 de Fev 2016.

Schluter, Regina G. 2003. Metodologia da pesquisa em Turismo e hotelaria. São Paulo, SP: Aleph. (Série Turismo). Tradução de: Tereza Jardini.

Scifoni, Simone. 2004. “A Unesco e os patrimônios da humanidade: valoração no contexto das relações internacionais”. Anais... In: II Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, Indaiatuba, SP.

Silva, Fernando Fernandes. 2003. “As cidades brasileiras e o patrimônio cultural da humanidadSilva, Georgia Patrícia da. 2013. Título de patrimônio cultural da humanidade: um selo de garantia ou uma promessa fantasiosa?. VI Jornada Internacional de Políticas Públicas.

Silva, Marcos Noé Pedro Da. Regra de três simples. Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/matematica/regra- -tres-simples.htm>. Acesso em 25 de maio de 2016.

Silveira, Carlos Eduardo; Medaglia, Juliana (Org.). 2014. Pesquisa de demanda real de Diamantina e região: características de viagem, motivações, percepções e expectativas. Diamantina, MG: UFVJM.

Silveira, Carlos Eduardo; Medaglia, Juliana; Souza Junior, Ronaldo Flaviano de. 2012. “Caminhos do turismo em Diamantina: a relação com a origem mineradora, a cultura e o título de patrimônio cultural da humanidade”. Revista Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas, Vale do Jequitinhonha, n. 1, p.1-21.

Solha, Karina.Toledo. 2004. Órgãos públicos estaduais e o desenvolvimento do turismo no Brasil. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação). Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Soares, Geralda Chaves. 2000. “Vale do Jequitinhonha: um vale de muitas culturas”. Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 5, n. 6, p. 17-22.

Souza, Maria Luar Mendes de; Gomes, Mariana Elias; Silva, Tatiana Amaral. 2007. “Limites e potencialidades na atuação dos Conselhos Municipais de Turismo: Estudo de Caso nos municípios de Diamantina, MG e Bonito, MS”. [S.L.]: Revista Virtual Partes.

Svels, Kristina. World Heritage, 2015. Tourism and Community Involvement: A Comparative Study of the High Coast (Sweden) and Kvarken Archipelago (Finland). Scandinavian Journal of Hospitality and Tourism, v, 15, issue 1-2, p. 183-201.Disponível em: <http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/15022250.2015.1009708?j ournalCode=sjht20>. Acesso em: 14 jan.

TRIPADIVISIOR BRASIL. 2016. Foto do Casarão do Fórum Diamantina. Disponível em: <https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_ Review-g303380-d2389987-Reviews-Casarao_do_Forum-Diamantina_State_of_Minas_Gerais. html>. Acesso em 07 Fev. de 2016.

UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais. 2016. “Vale do Jequitinhonha”. Belo Horizonte, MG: Portal Vale do Jequitinhonha. Disponível em: <https://www2.ufmg.br/polojequitinhonha/O-Vale/Sobre-o-Vale>. Acesso em: 27 jul. 2016.

Widmer, Glória Maria. 2007. O título de patrimônio da humanidade e seus efeitos sobre o turismo em Fernando de Noronha. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.e”. São Paulo, SP: EDUSP – Editora da Universidade de São Paulo.

Publicado

2018-01-19

Cómo citar

Godinho, T. K., & Toledo Solh, K. (2018). Percepções da comunidade local em cidades Patrimônio da Humanidade: Diamantina, Minas Gerais, Brasil. PASOS Revista De Turismo Y Patrimonio Cultural, 16(1), 213-231. https://doi.org/10.25145/j.pasos.2018.16.014

Número

Sección

Artículos